Páginas

Imagem estudio

Imagem estudio

"Minhas criações não são protagonistas. Elas se encaixam em qualquer lugar. Não faço peças extravagantes, daquelas que você precisa montar o ambiente inteiro em função delas. Meu design é direto."

ESTEVÃO TOLEDO

quinta-feira, 3 de julho de 2014

O obscuro caminho de quem começa a carreira de designer. / Estevao Toledo





Estes dias respondi a mais um de tantos e-mail que me chegam buscando sempre a mesma informação: Como posso iniciar minha carreira no design de móveis? Pedem que dê curso ou palestra sobre o assunto, mas por enquanto prefiro deixar minha visão de forma aberta e acessível na rede, se alguem mais me perguntar tá aí!!!
Primeiramente tenho que te dizer que não tem caminho milagroso, é o tempo e sua perseverança determinarão seu futuro. Mesmo para mim não foi nada fácil,  fui obrigado a frustar meus pais logo de cara, pois não seria um engenheiro como eles pensavam, lutei pela credibilidade de que o Design seria meu caminho, não foi nada fácil tive que peitar uma guerra domiciliar, mas quando sua vida esta em jogo é melhor colocar a sorte no que você acredita e não em opniões externas ainda que sejam pessoas de extrema confiança, pondere e lembre-se, quem terá que conviver ou não com a escolha será você mesmo. Alem de que se você achar uma profissão que se ganha dinheiro fácil, sem compromisso, pouca  força de vontade e de forma legal me conta, que com certeza farei esta junto com o design, com quem me casei e sou extremamente realizado.
Por isso não desanime e força pra buscar o que quer, isso poderá lhe trazer grande satisfação no futuro.  Então vamos lá para uns conselhos mais pragmáticos.

Um designer se faz com toda a experiencia adquirida na vida, quando não se tem uma relação com peças, produtos e produção, se tira isso das vivencias normais da vida, conforme for trabalhando este conhecimento mais direcionado te dará alicerce cada vez mais para se reafirmar como profissional, sei que não é o caso mas você chegara lá. Se você for analisar a carreira de grande profissionais como Carlos Motta, Sergio Rodrigues, Jorge Zalszupin, Fernando e Humberto Campa, Zanini de Zanine, verá que o enredo da vida de cada um da o tom das primeiras peças que realizou, ou seja as primeira peça tem a ver com o entorno, que tipo de mão de obra disponho, que tipo de material é encontrado com facilidade, seu senso estético, conceitos etc... ou seja começamos com o que temos a nosso redor.

Você fala sobre o curso de marcenaria, acho importante para você ter em sua bagagem processos produtivo, materiais, valor, ferragens, mão de obra, tempo de confecção, problemas da peça, etc... ótimo para quem busca ser marceneiro, porém não será suficiente para quem busca o Designer, é necessário mais. A grande dificuldade de ser designer é que este é o tipo do profissional que deve ser metade engenheiro(marceneiro), ou seja que conhece bastante tecnicamente e sabe o que está fazendo, mas por outro lado tem que ser artista com suas características sonhador, curioso, saber combinar, ousado, ter senso de equilibro e estético . Muitas vezes duas personalidades que entram em contradição lado direto e lado esquerdo do cérebro.

Mas acho que de forma simples da para te dar mais ou menos um cronograma:
1. Ler a biografia de alguns designers e estudar peças do design
2. Analisar ao seu redor que tipo de produto é possível fazer, qual e como.
3. Tentar participar de concursos, mostrar para arquitetos , parentes, lojistas ( e ser forte o suficiente para escutar tudo e saber separar o que tem sentido e o que não, no começo doi muito os palpites negativos, mas conforme crescemos na carreira isso fica mais ameno, não pare por isso e siga em frente).
4. Ir a eventos, feiras, fazer contatos mostrar seu trabalho se fazer conhecida, do tipo gente to aqui!!!
5. Criar novas peças, a partir destas novas experiencias...

Bom, este é um resumão, não sei se ficou claro, mas espero ter te ajudado, quando vier pra São Paulo aparece aqui no estúdio e papeamos mais, vou torcer por sua carreira!!
Desculpe os erros de português, mas estou escrevendo rápido...
Um beijo, te desejo muitos sucessos, e lembre se  no começo tudo é só uma idéia, assim como uma semente, como o passar dos dias, atenção, cuidado e alguma sorte virará uma árvore bem grande.

Estêvão Toledo.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Topper e Oskar Metsavaht / Estevão Toledo

Metade de mim se sente realizado em saber que criativamente estou  uns 10 anos na frente de duas marcas tão importantes, sendo que uma delas a Osklen marca de Oskar Metsavaht, que admiro muito principalmente pela fonte de inspiração, mostrando um Brasil de forma bacana, elegante e super cool. Porém metade de mim se entristece em saber que, mesmo tendo grandes idéias as vezes os produtos tem sua viabilidade e exposição comprometida.





Capa de catalogo Brasil Faz Design 2004 



De qualquer forma um Designer vive de inovação, de olhar para frente percebendo o entorno, se tenho feeling para a coisas, e de fato acho que isso é o que conta, a única arma que luto nesta guerra é com meu TALENTO, e mesmo aparecendo um produto muito similar ao que criei percebo um elogio bastante relevante nesta história toda. E como designer vive de futuro e não de passado vamos em frente que a direção tá certa, pelo menos assim mostra o rastro deixado.



Se algum dia Oskar Metsavaht ler este meu post, queria que soubesse que o admiro, nem acho que tenha me copiado, acho a Bolsa Bola um produto muito legal, uma idéia meio que tá ali algo até meio óbvio e é bem possível uma coincidência. Sei que gosta de marcenaria também, e quem sabe um dia façamos algo visto que temos temos então alguma visão em comum,  curiosamente a minha primeira  luminária "Raiz de Fora" foi comprada por ele para a loja Osklen da Oscar Freire.

Bolsa Bola - Oskar Metsavaht para Topper.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Lançamento Livro Jorge Zalszupin / Estêvão Toledo

Ontem, 02 de junho de 2014 , aconteceu o Lançamento do livro de Jorge Zalszupin da editora Olhares, escrito por Maria Cecilia Loschiavo, organizado por Lissa Carmona Tozzi. Muita gente bacana, o próprio Jorge Zalszupin presente assinando os livros, que iam sendo vendidos mais rápidos que o esperado pela livraria Cultura do Shopping Iguatemi.

Convite do lançamento

Antes de citar sobre a o livro em si, gostaria de destacar a relevância do trabalho de Maria Cecilia Loschiavo, a própria cita no livro uma frase de Aldir Blanc "O Brasil não conhece o Brasil",  ela trabalha de forma efetiva para contradizer esta sitação, e não digo isto especificamente só por conta do lançamento deste livro,  ela também é autora do que para mim é uma das maiores referências  da história do design nacional, com o livro "móvel moderno no Brasil", imagino a profundidade e persistência que a autora precisou para encontrar, organizar e produzir estes dois  livros, num cenário do Brasil que não sabe guardar sua história. Para aqueles que acompanham o blog citei esta mesma dificuldade quando postei sobre o filme Dominguinhos por aqui. 

Curiosidade: O livro "O Móvel moderno Brasileiro" hoje em dia é um livro esgotado, só é possível encontra-lo com alguém conhecido ou em algum sebo e com muita sorte. Achei um no mercado livre com preço altíssimo e selo de raridade. Ouvi dizer a boca pequena que talvez seja re-editado, fico na torcida para que esta fofoca seja verdade, portanto 



Conselho: se puderem comprem o livro, pois assim como acontece com as peça design de mobiliario nacional, também se repete aos livros de design nacional, quanto mais velhos mais raros, e mais especiais!!!

Acredito que o trabalho do grande Designer Jorge Zalszupin, nem precisa de apresentações afinal a elegância das peças é algo escandaloso, detelhas como parafusos e outros adereços de seus móveis são belissimos com requinte delicadamente singular, estentendo esta força estética a peça como um todo.








Ontem também foi o lançamento da sua autobiografia : de * pra lua , a primeira vista um livro que me parece ser bastante interessante, mas confeço que ainda não tive tempo de ler com maior profundidade, mas logo que tiver dado a atenção merecida compartilharei por aqui.



Jorge Zalszupin assinando meu livro .
"A cima um aqueles raros momentos onde o coração se enche, o cabeça se esvazia e não nos lembramos mais daquilo que tinhamos previamente preparado para dizer... meu discurso se foi dando espaço a alegria de estar perante do que para mim é um dos grandes..."

E se vc não pode ir ontem, fica a minha  dica, espero que gostem.



quarta-feira, 21 de maio de 2014

Filme "Dominguinhos"/ Eduardo Nazarian e Mariana Aydar






Cantei, dancei, ri e chorei durante a pré-estreia do filme “Dominguinhos” idealizado por Eduardo Nazarian com Mariana Aydar. Por meio de imagens, texturas e sons fomos transportados ao sertão da meninice do sanfoneiro. À medida que as imagens se tornavam mais nítidas e claras fomos deixando a dureza do cerrado e lentamente invadidos pelo alivio da crescente trajetória de “Dominguinhos”. 

O documentário transcende seu papel, de maneira sensível, retrata a alma do mestre e nos presenteia com a narração do próprio artista, que ao pé do ouvido, nos conta sua historia acompanhado pela "respiração" de sua sanfona. Lindas parcerias são enriquecidas pelo fole do mestre, que combinado aos arquivos valiosos torna evidente a delicadeza no trabalho de pesquisa e composição dos fragmentos dando ao filme um caráter totalmente orgânico. 

Meu sentimento após a exibição é de total gratidão para com aqueles que tiveram a coragem e ousadia de proteger nosso legado cultural de forma tão amorosa e persistente. Obrigada

O filme estreia 22 de Maio no Espaço Itaú de Cinema/ São Paulo.



Não deixem de assistir "Dominguinhos", assim como a sanfona, o filme soprará bem próximo de seu coração. 
Só nos resta um lamento, "...que bom seria se Dominguinhos pudesse ter visto..."

O projeto Dominguinhos+ é formado por um filme, uma websérie e uma playlist inédita.
https://www.youtube.com/user/dominguinhosmais  














A websérie é composta por 8 episódios em que aparecem os últimos encontros
de Dominguinhos em estúdio e as falas emocionadas de seus companheiros de estrada com participação de Gilberto GIl, Djavan, Elba Ramalho, Lenine, Hermeto Pascoal, João Donato, Yamandu Costa e Hamilton de Holanda.
Ficha Técnica websérie Dominguinhos+
Direção Geral: Felipe Briso
Direção Musical: Eduardo Nazarian, Mariana Aydar e Duani
Produção: Deborah Osborn e Gilberto Topczewski


Pré estréia "Dominguinhos"/ Mariana Aydar, Eduardo Nazarian e Estevão Toledo/ Foto: Pamela Caszely

Trailer do filme.









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...